Seguro Viagem – Comprar ou Não? Quais Cuidados Tomar?

Será que devemos contratar um seguro viagem? Por que contratar um seguro viagem? Será que eu vou precisar de um? Chegamos a nos fazer essa pergunta e até outras mas sabe que nunca levamos isso tanto ao pé da letra? Isso porque é aquela história; sempre achamos que acontece com os outros e que nunca acontecera conosco.

Devo confessar que decidi abordar esse assunto de seguro de viagem por razōes pessoais. Desde o tempo que vocês me pedem ajuda e me perguntam qual seguro de viagem usamos, há quase 2 anos, nunca tinha pensando que seria importante escrever sobre esse assunto tão relevante.  

No planejamento da viagem é normal ficar pensando na contratação de um seguro de viagem que cobre os eventuais problemas corporais ou simplesmente de saúde e principalmente se deve ou não contratar um seguro viagem internacional. Se vale a pena contratar aquele oferecido junto com a passagem aérea ou até mesmo o seguro de viagem do cartão de crédito, ou em último caso, contratar um por fora, com agências especializadas em seguros de todos os tipos. 

Isso é o que todos, todo mundo já pensou em fazer ao menos uma vez – contratar ou não?

A Família Sem Fronteiras também já pensou nisso. Mas, como eu disse, apenas pensamos, ponderamos mas nunca “contratamos” de fato, até que no final de agosto de 2017 veio a calhar uma necessidade que nos desesperou completamente. 

Como todo mundo já sabe, eu sou francesa – apesar de ser brasileira de coração – , nasci e cresci na França e, com isso eu me acostumei com saúde de ponta e gratuita por toda a minha vida sem ter que gastar um centavo por isso. 

Na França, temos uma política social igualitária que funciona para todos, independente da classe social, se é rico ou pobre, se é isso ou aquilo. Todo mundo tem o mesmo direito em um seguro social que garante o acesso a um serviço de saúde gratuito de qualidade e de ponta, e com isso eu nunca tive que pagar por nada relacionado a cuidados médicos.

E por isso eu cresci vivendo assim; achando que não era algo tão importante ou urgente contratar um seguro por nunca ter precisado de um antes. 

Sem seguro e mesmo estando Grávida

Vocês começaram a me escrever sobre o seguro de viagem durante minha viagem pelo sudeste Asiático.  Na época, estávamos na Ásia em uma viagem de 5 meses levando a Ella – @EllaPeloMundo – e meu barrigão de #GravidaPeloMundo [clique e veja nossas fotos com o barrigão pelo mundo]  como gosto chamá-lo que cresceu junto com a viagem. Lembrem que quando saímos de Europa (estávamos viajando pela Europa, o Marrocos, a Turquia e o Brasil), eu estava grávida de 3 meses e voltei com 8, a 4 semanas do parto.   Durante essa viagem viajamos, como às outras, sem seguro nenhum.   

Naquela época, com a experiência da primeira gravidez, eu estava tão confiante na boa evolução da segunda que resolvi fazer todos meus exames de acompanhamento de gravidez no particular, em clínicas e hospitais privados que tinha listado antes de  viajar (Recomendo fazer isso). É assim que fiz meus exames de sangue na Tailândia e outros como ultrassom em Kuala Lumpur, na Malásia. De uma certa forma, me acomodei na ideia que nada aconteceria e, por sorte, nada aconteceu. 

Se for pensar, os exames me custaram muito mais barato do que se eu fosse contratar um seguro de viagem que provavelmente não iria cobrir meu acompanhamento.

Costumo dizer que nada aconteceu durante essa viagem, porém se eu fosse sincera diria que a Ella teve uma rubéola enquanto estávamos em Jakarta, na Indonésia. Por sorte, o pessoal do hotel nos indicou o hospital do lado, um hospital público à imagem da Ásia. Serviço das emergências limpo apesar de pequeno. Os médicos, todos dominando a língua inglesa, eram ótimos e .. saímos com uma conta de apenas 23 euros ~ 83 reais. Ja pagou apenas 80 reais em consulta + medicação no Brasil? Desafio dizer que sim e tendo saído bem atendida.
Claro, consultei meu médico francês e a pediatra brasileira, à distância, para confirmar o diagnóstico.. que foi confirmado com sucesso.

E continuei pensando que a ida às emergências ficou mais barata que se fôssemos contratar um seguro de viagem.

Veja também: 8 Dicas para Pegar Avião Grávida

Acidentes Acontecem e nem sempre será em lugares baratos

Não quero mentir dizendo que o seguro de viagem é opcional e que viajar sem o seguro custa mais barato OU ainda que não temos perrengue durante as viagens.

Para ser mais honesta ainda, eu fui internada com 7 meses de gravidez, nas emergências em um hospital dos menores de Semporna na ilha de Bornéu, na Malásia. Um dia de total descanso, passeando entre ilhas remotas e sem nenhuma atividade humana entre a Malásia e as Filipinas, fui picada por um arraia – em cima da qual eu pisei.

Estávamos em uma ilha militar a 2h de barco da ilha e da cidade hospitalar mais próxima. Gritando de dor e sentindo o veneno subir na minha perna, tive a sorte de dividir meu barco com um australiano, residente em medicina. Com sua ajuda, e água quente, conseguimos desacelerar a progressão do veneno até minha barriga. Chegando no hospital, fui tratada por todos os médicos presentes que ainda nunca tinham visto 1) uma gringa grávida turistando por lá 2) uma picada de arraia.

Foi então que poderia ter pensando que eu precisava de um seguro de viagem que pudesse achar um tratamento e pagar as contas do hospital.   So que não! Os médicos me deram anti veneno, morfina e ainda fizeram ultra-som e exames de sangue para ter certeza que tudo daria certo. E deu! Sai do hospital após 7 horas de gritos e bastante negociaçãos para não ser transferida a 8 horas de carro de lá e pagando uma conta de apenas 100 reais.

picada de arraia Malasia

 

Porém, a sorte não dura pra sempre e não é sempre que podemos contar com ela. Ela serve apenas pra nos alertar que dessa vez foi um susto e que deveremos prestar atenção na próxima.

Ultimamente, em Las Vegas, fui internada algumas horas nas emergências por um problema de provável intoxicação alimentar que me causou incapacidade a me expressar, vômito e febre.  A consulta e a medicação custaram uns 200 dólares, ou seja, o valor de um seguro de viagem, que teria pago esse custo extra. Pensem!

E agora? Por que contratamos FINALMENTE um seguro de viagem?

Veja Aqui Como Contratar um Seguro Perfeito pra Sua Viagem

Finalmente, o Noam nasceu em março de 2016, no primeiro dia da primavera do hemisfério norte, lindo e saudável, em um hospital de ponta com os melhores cuidados médicos possíveis e onde tivemos nossos primeiros dias. 

Fiquei de resguardo mas logo logo, depois de 3 semanas do seu nascimento, fomos novamente com o pé na estrada.

Viajamos um pouco pela Europa onde a saúde continua de graça nos hospitais públicos para nós franceses. Enquanto no continente europeu, nunca pensei em contratar um seguro de viagem que entraria em conjunto com meu “seguro social” – nosso plano de saúde – e assim, continuamos nossas viagens pela Europa onde passamos algumas semanas por ano. 

Chegamos no Brasil depois de um mês mas assim que chegamos não pensamos em cuidados com relação a seguros, pois estávamos bem e, quando estamos bem, acaba que não pensamos em seguro e plano.  

Apesar que o Noam e a Ella nunca ficaram doentes de verdade, sempre aproveitamos as longas temporadas no Brasil para fazer o acompanhamento da saúde com a pediatra brasileira .. em particular. No nosso caso, um plano de saúde brasileiro custa mais que a consulta mensal  então pensamos “pra que pagar um plano de saúde anual se ficamos apenas 2 meses?‘  

Continuamos as viagens na maior confiança que nunca ficaríamos doentes pois nada aconteceu antes tão grave.  As crianças nunca tiveram febre e apenas pegaram uma virose o que, sejamos sinceros, não justificava pagar milhares para um seguro de viagem.

Isso, até final de agosto de 2017 quando o Noam, com um ano e 5 meses, engasgou e entrou em parada respiratória e em seguida cardíaca. Naquele momento, segurando o corpo roxo e sem vida do meu filhinho pela segunda vez do dia (aconteceu duas vezes no mesmo dia), tentando reanimá-lo com massagem cardíaca e boca-a-boca dentro do carro lançado a 120 km/h na avenida do hospital, e o deixando com a equipe de 7  médicos que tentaram reanimá-lo com choque quando o seu coraçãozinho parou por mais de 2 minutos.

Naquela noite, lembro da conversa absurda que eu tive com a médica que se preocupava mais com nossa condição financeira do que com a saúde do nosso filho, batalhando contra a morte, por termos nenhum plano e devermos pagar todo o tratamento em particular.

O Noam ficou internado, em um coma artificial, 4 dias na UTI do melhor hospital da cidade e mais 3 na efermaria. A sua saúde não melhorou  por enquanto pois voltamos para as emergências após 3 dias por uma infecção pulmonar que ocasionou mais 4 dias de internação.  Duas semanas massacrantes emocionalmente e fisicamente para nós que passamos no total de 12 dias no hospital, orando para a vida do nosso filho.

E então ao sair, pagando a nota astronômica de quase 90.000 reais – 20.000 ao entrar com nosso pequeno em estado crítico – , vendo a saúde tratada como um negocio que resolvemos contratar um plano de saúde brasileiro que cobrisse os gastos de saúde .. dentro do Brasil e até internacionalmente.

E o Que Oferece o Seguro do Cartão de Crédito?

Vale a pena e muito sim e é extremamente necessário ter um seguro de viagem e até mesmo um plano de saúde, nem que seja aquele mais básico que cobre o essencial e claro, algumas taxas de hospitais.

Eu descobri logo depois de ter gasto muito dinheiro no hospital, que eu já tinha um seguro, e olha só, muitos de nós até temos e não sabemos, que é o seguro já incluso no cartão de crédito.

No meu caso esse seguro já pagava todas as taxas e contas do hospital, que como eu já contei acima, não foram de baixo custo, mas infelizmente não aproveitei essa vantagem por não ter passado na minha cabeça que meu cartão já me garantia um bom seguro, o que me teria feito economizar um dinheirão. :(

Claro que é algo que nunca iria lembrar pois no desespero eu só queria cuidar do meu filho e como era uma emergência, imagina também a burocracia que seria, sabe como é Brasil.

Mas no fim das contas é importante ter em mente que se você não tem um cartão de crédito que possua um seguro que vá cobrir tudo isso, contrate um seguro viagem, é mesmo para o nosso próprio bem, é aquele dinheiro que gastamos por algo que não queremos ter que usar mas que se precisarmos, vai nos render um alívio sem preço! Afinal, ninguém está livre de acidentes, não é mesmo?

Alguns Pontos Importantes Sobre Seguro Viagem

Países Obrigam Viajantes a Terem Seguros

Saiba que tem países que obrigam o viajante a ter um seguro viagem? Isso mesmo! Logo alguns que certamente você quer tanto conhecer, e não tem pra onde correr. Mas no final é para o nosso próprio bem.
Sendo brasileiro ou até mesmo cidadão não europeu você está obrigado a ter um seguro viagem pra entrar na Europa.

Muita gente pode falar que nunca foi parada ou requisitada a mostrar nenhuma prova de que tinha um seguro mas saiba que estão fechando o cerco nesse quesito e se você for parado e pedirem alguma documentação onde você não tem um seguro, eles podem legalmente deportar você.

Esse é o famoso tratado de Schengen, que obriga todos os viajantes que passarem pelos territórios do tratado a terem uma cobertura de pelo menos 30.000 euros!

Os países são – Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia e Suíça.

Mas afinal, o que é o seguro viagem?

É importante ressaltar que o seguro viagem não é um seguro que você precisa fazer para um longo prazo, sendo que até pode mas não é exatamente isso. O seguro viagem você faz pra estar protegido enquanto durar a viagem, até porque quando for contratar um por fora, vai fazer de acordo com as suas datas e por isso eu recomendo até ver a possibilidade de prolongar a viagem, pra também prolongar o seguro viagem.

Lembre-se de um detalhe importante: o seguro viagem não é plano de saúde, o que significa que você não vai viajar e simplesmente ir à uma consulta como se fosse algo normal. O seguro é pra emergências e imprevistos, ele não cobre consultas de rotina.

O que é incluso?

O que é normalmente oferecido no seguro viagem são assistência odontológica, internação, hospedagem pós alta, repatriação, assistência jurídica, extravio de bagagem, cancelamento de viagem e muitos outros detalhes que devem ser observados no momento da contratação.

É importante também ver se você vai praticar esportes radicais e ter em mente sempre os hospitais por perto pra saber pra onde correr no momento que precisar e esperemos que não precise.

Cartões de Crédito

Sempre cheque com sua operadora de cartão de crédito, se ela vai oferecer esse seguro, e se oferece, até aonde ele vai, ou seja, o que estará incluso na hora da necessidade. Alguns podem até valer a pena.

Eu tenho um cartão platinum mas o Black oferece muito mais e o Mastercard também possui ótimas opções, mas isso tudo depende do nível do cartão.

Mas é aquilo, aproveite o que o cartão oferece mas não se apegue a apenas isso, então se precisar gastar mais gaste, sem pensar duas vezes, pra não ficar depois no “ah se eu tivesse feito….”.

Preço é importante sim mas em viagem e saúde não economize.

Recomendação Família Sem Fronteiras

Eu poderia falar de várias opções aqui pra se escolher entre agências e seguros mas as dicas que dei já são super importantes, mas hoje vivemos no mundo digital e da tecnologia, que está sempre ao nosso favor.

Com isso descobrimos uma forma super rápida e ágil pra encontrar o melhor custo benefício pra um seguro viagem onde não precisamos fazer inúmeras cotações aqui e ali.

A dica é que você passa seu destino e suas datas e pronto, já é o suficiente pra você ter uma cotação de várias empresas diferentes ali, na hora com tudo o que oferecem e assim já poder facilmente escolher o seu seguro, sem complicação.

E aí, quer ver como? Pronto pra não passar pelos perrengues que eu passei?
Então…

>> Escolha Aqui o Seu Seguro Viagem AGORA!! <<

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>