Quais Cuidados Tomar ao Viajar Grávida?

Pensar nas consultas com o médico, exames de sangue a cada mês, ultrassom para agendar nos países a serem visitados, pensar em descansar sempre que for necessário. Esses são os cuidados a tomar ao viajar grávida.

 

 

Então para quem for viajar grávida, esse é um dos assuntos mais novos que tenho aqui atualmente entre as mulheres viajantes.

Há 4 anos, quando comecei a viajar grávida, eu não conhecia ninguém que viajava enquanto gestante e percorria o mundo assim. Então quando eu engravidei da Ella após do planejamento da volta da Ásia, por uns 6 ou 8 meses, e que descobri que estava grávida, fiquei perdida, decepcionada – não por estar grávida mas por ter um filho e ter que cancelar todos os meus planos de viagens – justamente porque eu não sabia como seria aquela viagem.

Exatamente porque naquela época eu não conhecia ninguém que fazia isso: viajar grávida.  

E então, à partir daí, que mesmo com a viagem planejada e já com tudo programado que decidimos cancelar o primeiro passo da viagem de volta ao mundo.   

Mas,eu ficava pensando: estar grávida, não é estar doente! Viajar grávida não é impossível 

Então decidimos, juntos, viajarmos dentro do Brasil e dentro da América Latina e, foi assim que fomos para a Argentina, para o Uruguai e para o Peru, onde aliás, fizemos uma viagem incrível de 3 semanas.  

Primeiros Passos Como Grávida Pelo Mundo

 

Vendo que tinha dado tudo certo ao longo dos 5 primeiros meses de gravidez no Brasil, decidimos não parar ao chegar na França e é assim que fomos para a Bélgica, para os Países Baixos e Paris onde paramos.
Infelizmente, em novembro, 2 meses antes do parto eu tive que parar de viajar e deixar de fazer qualquer esforço porque meu colo do útero abriu e havia o risco de ter um bebê prematuro, com problemas pulmonares. 

Finalmente, a Ella nasceu cheia de saúde e iniciamos um novo ciclo de viagens em seus 20 dias de vida.
Enquanto planejávamos novamente nossa volta pelo Sudeste da Ásia e ao mundo, descobrimos que eu estava novamente grávida. Desta vez, ricos das nossas experiências de viagem sendo grávida, decidimos não cancelar a volta pela Ásia e de aproveitar plenamente a oportunidade que tínhamos em sermos livres durante esse momento especial.

Até me lançar, nunca tinha ouvido falar de mulher grávida percorrendo o mundo com seu barrigão indo de um país para o outro. Nunca tinha ouvido falar de mulher grávida indo para Ásia, continente chamado de terceiro mundo, ciente de possíveis problemas de saúde. Não, nunca tinha ouvido sobre alguma mulher grávida indo para qualquer país que ainda não conhecia.

Eu lembro que quando avisei o pediatra da Ella que estávamos indo para a Ásia passar 5 meses, com um bebê de 8 meses e eu, grávida de quase 4 meses, ter visto a sua cara estupefada, bloqueada, sem conseguir falar qualquer palavra.
Sim, primeiramente, me achou louca por viajar com a Ella tão novinha e eu grávida, planejando voltar apenas nas últimas semanas da gravidez.

 

 

     I – Exames e Médicos

É lógico que durante aquela viagem de 5 meses, eu tive que tomar cuidado. E esses cuidados foram os mesmos cuidados que eu tomava quando estava no Brasil ou na França, nos meses mais ‘sedentários’. 

Antes de sair da França, esperei passar os 3 primeiros meses que são os mais importantes para quem está querendo ter um filho – do primeiro até o terceiro mês é a fase mais difícil pois é onde se pode perder o bebê – e fui me consultar com o ginecologista procurando a saber se o início da gravidez estava indo bem e se não tinha contra-indicações. 

Em seguida, comecei os exames normais e comuns: exame de sangue que é mensal e os primeiros ultrassons que eu, e daí, na ordem das coisas, sabendo aonde que a gente iria passar e parar na Ásia.

É bom você entender que não tínhamos planejado a viagem pela Ásia dia por dia. Foram 5 meses, mas decidíamos muitas vezes simplesmente viajar de última hora de um lugar para o outro e por isso não sabíamos onde estaríamos no dia ‘43’, por exemplo, não tinha como planejar ou prever isso, nem se tentássemos.

Porém, já sabia que eu iria ter que fazer exames de sangue e ultrassom todos os meses e então comecei a listar os hospitais e as clinicas dos países onde iriamos passar. 

Leia Também: Guia Para Viajar na Gravidez

     II  –  Buscar Informações para se Precaver

Foi então que eu tive a ideia de listar os hospitais e as clínicas dos lugares por onde passaremos. Listei principalmente as clínicas – tratamento particular e infraestruturas habitualmente modernas –  das principais cidades E QUE TINHAM médicos nativos ou falando francês OU inglês.  

Como? Procurei principalmente no site do ministério do exterior Francês, da diplomacia francesa no exterior. O diplomata francês do país em questão recomenda sempre alguns médicos franceses que exerçam atividades nas principais cidades e assim, listei os médicos e os hospitais prestes a me receber em caso de emergência.         

Se eu precisei? Nunca! Porém, me prevaleci de muitas buscas e de estresse em caso de emergência.
Ja pensou em ter que procurar um hospital bom em pleno trabalho de parto ou com uma doença grave, sem falar nada da língua local? Listar os hospitais é trabalhoso porém essencial. Recentemente, o Noam engasgou no Brasil entrando em parada respiratória e cardíaca e não sabíamos onde estava o hospital mais perto. Já pensou no desespero que foi de segurar o corpo roxo e mole do meu filho lhe fazendo boca-a-boca e massagem cardíaca enquanto estávamos à procura de um hospital? 

Logo após ter o apoio do seu ginecologista, de ter certeza de que sua gravidez está bem, de ter feito o primeiro ultrassom e exame de sangue – ter certeza que não tem nenhuma doença e nenhuma contra indicação de saúde – ter listado os médicos / as clínicas, deve pensar em não apenas agendar, mas em programar um dia para fazer exames de sangue e ultrassom.

Eu, assim que cheguei na clínica novinha de Ko Samui, na Tailândia, expliquei meu caso – nômade digital, viajando durante meses – mostrei a receitinha do meu médico e expliquei que eu precisava fazer aquele exame para poder voltar na estrada no dia seguinte. Foi o mesmo processo na Malásia e na Indonésia.

As clínicas asiáticas sāo tão boas quanto no Brasil ou na França.  A infraestrutura é moderna, limpa e com médicos falando inglês. Não se enganam pensando que viajar pelo exterior é tomar risco de morte 😉  Lá, também, há classe alta e burguesa e consequentemente clínicas ótimas para atendê-las.  

Citomegalovírus | Cuidados A Tomar

Há um cuidado que deve ser tomado a todo custo por qualquer gestante e mamãe de bebês que é o amedrontador citomegalovírus que pode causar danos irreversíveis nos pequenos.

Normalmente todos nós já fomos ou seremos infectados de alguma forma na nossa vida mas o vírus muitas vezes fica apenas incubado no corpo sem causar nenhum dano – o problema é quando bate a baixa imunidade.

Nas gestantes o perigo é maior se a grávida for infectada pela primeira vez, pois é aí onde o vírus pode atacar o feto e a criança pode até nascer com doenças mentais.

Já se a gestante já tiver sido infectada no passado é mais fácil de cuidar pois o corpo da mulher já terá anticorpos contra o vírus, mas é muito importante se cuidar bem pra que a imunidade não fique baixa e assim o vírus não seja ativado.

Na hora do parto os bebês podem ser contaminados também mas não é tão grave quanto a contaminação durante a gestação, a não ser que seja parto prematuro, por isso é muito importante fazer os exames de sangue pois caso o vírus ataque o médico irá cuidar de você bem mais de pertinho.

Como O Vírus É Transmitido?

O mais comum na transmissão é quando há contato com alguém infectado, principalmente se houver contato muito próximo.

Se estiver grávida, evite contato com pessoas infectadas pois a transmissão é feita pelo contato físico e até na utilização de talheres, roupas e toalhas.

Não espirre próximo ao bebê, não tussa e nem deixe ninguém fazer isso perto do seu pequeno, pois até mesmo um desconhecido falando muito perto e tocando o bebê pode transmitir.

Reações, Sintomas & Complicações

Os sintomas nas crianças infectadas são horríveis, então evite ao máximo pois quando estão doentes eles ficam com febre alta, muita dor de garganta, problemas no aparelho digestivo, podendo até ficar com úlcera.

Se o estado se agravar é pior porque o fígado pode ser vítima, além dos rins e até mesmo o sistema nervoso central.

Como Evitar?

Infelizmente não há cura mas há tratamento porém o melhor que podemos fazer é manter os nossos filhos fortes e saudáveis pois assim, caso estejam com o vírus incubado, o vírus tem pouquíssimas chances de atacá-los.

Sempre que trocar fraldas é importantíssimo lavar as mãos, evitar pôr a colher do bebê na boca ou o bico da mamadeira e principalmente um erro que muitos fazem que é beijar as crianças na boca, isso é um agravante que muitos pais não percebem, então eu recomendo muito que evitem.

Outras coisas que podem ser ruins também é o contato com lágrima, nariz escorrendo e claro, tomar banho com o bebê, o que pode gerar aí uma infecção urinária fortíssima.

A última dica mas não a menos importante é: Tenha roupas de cama e banho específicas pras crianças. Eu sempre levo o que posso pros meus filhos, pois mesmo sabendo que hotéis possam ser limpos, nunca se tem certeza.

   

     III – Aproveitar a Viagem & Respeitar os Limites

Leia também: Por Que Ter um Seguro Viagem na Gravidez

Depois de ter esperado os 3 meses, ver o ginecologista, fazer exame de sangue, fazer o primeiro ultrassom, listar as clínicas nas cidades e países por onde você vai passar, você tem que pensar / ter em mente que você está grávida e que a viagem não poderá ser tão cansativa. Não, apesar de não estar doente, você não poderá fazer tudo, lembrando que muitas coisas são proibidas na gravidez.

Tem que lembrar que estando grávida, você tem que repousar.

Desde que eu comecei a viajar grávida e postar nossas andanças no instagram, parece que eu incentivei muitas mulheres a terem o desejo de viajar enquanto grávidas, recebendo muitas mensagens como se tivesse acontecido uma mudança na mente das pessoas.

E uma das primeiras dicas que as mães me pediam era saber se dava para fazer trilha no Peru, se dava para voar de balão na Turquia, nadar com tubarões-baleias nas Filipinas ou ainda se não tinha risco em ir à Tailândia

A primeira coisa que tem que fazer é descansar seu corpo porque quem decide primeiro é seu corpo.

Se estiver cansada, pare e descanse. Se quiser dormir, durma! Se quiser parar de andar, pare! Por que? Porque isso cansa muito sua barriga, e sua gravidez pode acabar sendo ruim e difícil . Andar grávida, subir escadas, ficar de pé, são tantas tarefas difíceis na gravidez então respeite seus limites.

Se vc fizer uma trilha de 5 km, subindo uma montanha e sentir dores na barriga, pare, sente-se, deite-se, descanse um pouco, beba água, fique na sombra, durma, mas não se canse mais porque vai ser muito cansativo pra você e pro seu bebê.

E eu sempre fui assim. Sempre. Apesar de estar acostumada a viajar grávida, continuo a respeitar meus limites e escutar meu corpo. Quando estou cansada, eu paro.

Lembrem que é primeiro saúde, segundo a viagem.

     

       IV – Cuidados Durante o Transporte

 

Que você viaje de carro, de ônibus, de trem ou ainda de avião, sempre aconselho escolher uma roupa confortável.
Viagens longas são cansativas (e chatas) fora da gravidez. Durante, pode parecer mais ainda.

Lembro que durante nossa viagem de Lima – Paris, ficamos em assentos apertados e eu tinha escolhido a calça mais bonita que tinha mas também a menos confortável. Foram 14 horas de voo numa calça apertada que cortava minha circulação sanguínea. 14 horas com uma calça que limitou meus movimentos e deixou a viagem mais longa que era.

Privilegie sempre roupas confortáveis que lhe permitam esticar as pernas e não apertem a barriga. Também, lembrem que durante a gravidez temos muiiiiito mais vontade de ir ao banheiro e então, devemos tirar a roupa toda hora.

Os médicos aconselham viajar com meia de contençãosabe aquela meia que aperta a perna para problemas de sangue? Essa mesma! :). Essas meias ajudam na circulação do sangue mas também a limitar os riscos de flebite.  

Se já usei? Nunca! Mas vale lembrar que pode facilitar sua viagem, principalmente de avião.

 

Saiba mais em quais cuidados tomar viajando de avião neste post 

 

Quando eu viajo, sempre privilegio o meio de transporte mais rápido e mais confortável. Na maioria do tempo é o avião. Porém, em vários países, o trem é uma ótima maneira de se locomover e limita os problemas encontrados dentro do avião: promiscuidade, problemas de circulação sanguínea, impressão de claustrofobia.

Para mim, o trem é o meio de transporte perfeito. Pode levantar e andar, nenhum risco de problema com as pernas, possibilidade de sair em cada estação E para quem tiver medo de acidente, ele é seguro. Claro, não recomendaria andar de trem na Índia ou em países em desenvolvimento por serem países onde as infraestruturas estão ainda instáveis e as viagens demoradas. Porém, países como França, Espanha, Japão .. têm infraestruturas ótimas para viagens seguras e confortáveis.

Se for viajar de ônibus, não se preocupe, os cuidados são os mesmos. O ideal é vestir uma roupa confortável, tentar não beber muita água (risco de muito xixi)  e escolher uma companhia que ofereça um certo conforto. Quando viajamos no Peru, fizemos 90% das viagens de ônibus. Escolhemos horários noturnos para ganhar em tempo e uma companhia de alto padrão com assentos que deitavam completamente. Nessa viagem economizamos centenas de dólares viajando de ônibus.

Na Ásia, viajamos uma dezena de vezes de ônibus (ou de van) e acredite, se a companhia não for boa, a viagem poderá parecer sem fim. Foi o caso da viagem entre Siem Reap e Sihanoukville no Camboja. A viagem de 8h acabou se transformando em 13 horas num ônibus tão velho que quebrou 3 vezes, e com “camas” inconformáveis.    

 

 

 

        V – Alimentação

 

Um dos cuidados mais importantes ao viajar gravida é provavelmente a alimentação.  Que seja em viagem nacional ou internacional, o cuidado prevalece durante toda a gravidez, em qualquer lugar onde for.

Uma grande porcentagem das mulheres nunca teve a toxoplasmose, doença a caráter grave durante a gestação. Essa doença pode causar má formação no feto. Por isso, é recomendável evitar comer qualquer alimento cru durante a gestação: legumes, carne e peixe + alguns tipos de queijos e de salami.

Nas três vezes em que fiquei gravida, tive que me proibir de todos esses alimentos e acreditem, não foi tão fácil. Não somente porque gosto de comida japonesa ou de churrasco mas porque adoro comer salada em restaurante. E o cuidado esta aqui: em comer em restaurante.

Além de dever escolher o restaurante com critérios de higiene certos, não poderá comer nada de salada fora de casa e a carne deverá sempre estar bem cozida. Fora isso, pode aproveitar os restaurantes e comer à vontade! 🙂

 

          Leia também: Como Se Alimentar Bem Para um Voo

         VI  –  Atividades

A questão das atividades durante a gravidez é uma das mais frequentes que recebo.

Será que posso fazer trilhas? Posso mergulhar? E andar a cavalo?

Grávidas, as atividades são uns dos cuidados mais importantes a se tomar. Não somente porque andar a cavalo há o risco de cair, ou mergulhar há risco de problemas com a pressão da água e então risco de má formação no feto mas porque algumas atividades podem ser fatais para o feto. É o caso de andar a cavalo.

Também, já pensou em fazer sua viagem dos sonhos na grande barreira de corais na Austrália, querendo mergulhar e ver por perto essa maravilha da natureza e não poder por culpa da gravidez? Ou ainda ir no maior parque de diversão e não poder fazer as atrações? Aconselho planejar sua viagem em função da sua gravidez. E mesmo se pode conhecer a grande barreira de corais apenas nadando ou ir no maior parque de diversão apenas para ver, no final da viagem sempre terá um pouco de decepção por não ter vivido o seu sonho.

Durante nossas andanças pelo mundo estando grávida, eu fiz muita atividade. Andei quilômetros e quilômetros no Peru, fiz sandboard e buggy no meio das dunas, andei a camelo no Marrocos e acampei no meio do deserto em pleno verão, andei de caiaque na Tailândia e no Vietnã, fiz snorkeling na Malásia (e fui picada por uma arraia) ,nadei com tubarões-baleias nas Filipinas. Algumas dessas atividades estavam desaconselháveis. Pesei nos prós e nos contras e decidi viver minha viagem porém sempre com muito cuidado e respeitando meus limites.

Um dos pontos importantes é justamente saber onde estão seus limites, escutando seu corpo. Sempre.

E se pode fazer trilhas?  Claro que pode! Pode subir a Pedra Bonita no Rio ou ainda tomar ar fresco nas Alpes francesas.

Respeite apenas seus limites e dê o tempo a você de viver essas experiências no SEU tempo. Nada com pressa. Aproveite a sua gravidez para vivenciar cada minuto da experiência que estará vivendo.

 

Reserve Passeios Seguros AQUI!

 

E aí, acha que com isso já dá pra ficar segura? Bom, se curtiu deixe um comentário e me diga: Qual Aventura Gostaria de Vivenciar Grávida?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>