Siem Reap, Camboja I Cidade base de Angkor e os templos

Camboja, se você já acha que se impressionou o bastante em alguma viagem, espere até chegar aqui! :) O camboja é um lugar mágico, cheio de história (nem sempre boas infelizmente) porém um lugar que vai encantar qualquer um que chegue aqui. Os inúmeros templos que são espalhados pelo país fazem desse aqui um lugar único e com certeza quando alguém vier perguntar qual o lugar no mundo que você mais adorou, hmm, bom, após ter vindo aqui, Siem Reap certamente vai estar na ponta da língua.

Siem Reap

Siem Reap

Angkor Wat Temple Siem Reap Cambodia

Angkor Wat Temple Siem Reap Cambodia

A verdadeira riqueza é essa: encontrar com a população local e receber um carrinho

 

Com certeza quem já foi à Tailândia, Índia, Filipinas e até Austrália e Nova Zelândia já ouviu falar ou leu de que não se pode perder a oportunidade de passar no Camboja, passar?? Hmm, ir e visitar a fundo pois é um lugar onde você não vai parar rsrs mas vale a pena e muuuuito a pena, andar, sob o sol pelando de quente muitas vezes, porém testemunhar o que se foi construído aqui, nossa, incrível!

Muitas pessoas falam em visitar o Camboja por 2 ou 3 dias, mas o que?? Aqui tem muito o que se ver, nós ficamos aqui 15 dias no Camboja, foi o suficiente? Garanto que não! Conhecer os templos não significa que você conheceu o Camboja, por que não, caso tenha tempo, fique um pouco mais e procure conhecer mais a fundo, aí sim, você vai se encantar com essa maravilha!

__________Sobre______________

Chegamos em Siem Reap, um dia de novembro. A cidade de 200 000 habitantes, onde a grande maioria é menor de 15 anos, foi a nossa porta de entrada e então primeira parada no Camboja, país onde a capital é Phnom Penh.

Chegamos em Siem Reap vindos de de Koh Samui, na Tailândia, onde passamos nossa última semana de viagem pela Tailândia.

Nós não conhecíamos absolutamente nada sobre Siem Reap, apenas o que mais me interessava em ver: os templos de Angkor.

Os templos de Angkor é um complexo de templos que se tornou patrimônio da humanidade em 1992, pela UNESCO em um parque de 400 km² que já foi a maior cidade do mundo no auge Khmer. Ouvi falar pela primeira vez sobre Angkor um dia assistindo um programa na tv francesa, uma corrida de Carona de Paris até Pequim, na China, com apenas um euro por dia. Foi então, durante uma etapa desta corrida que descobri Angkor junto com milhares de franceses.

Na época, eu tinha uns 17 anos e ainda não sabia que iria conhecer templos milenares abandonados e re-descobertos por um francês, Henri Mouhot, em 1860.

De Ko Samui onde estávamos, não tínhamos planejado. Tínhamos a passagem de voo, a ideia certa de conhecer os templos perdidos de Angkor e nada mais. Apenas mais um sonho.

E exatamente por ser um sonho que a chegada na cidade virou uma desilusão. Eu imaginava que Siem Reap era uma cidade pequena que vivia da hospedagem dos turistas em busca de história e de cultura. Imaginava Siem Reap como Aguas Calientes, no Peru, cidade base para a descoberta do Machu Picchu.
O que não tinha pensando é que Siem Reap conta com mais de 190.000 habitantes e muitos turistas, mas muitos mesmo, o que faz da cidade a 5ª maior do país e não a tal cidade secreta e desconhecida que muitos pensam ser.

Angkor Wat significa cidade dos templos na língua Khmer, língua oficial do pais.  E Angkor não podia significar algo diferente. Siem Reap, e então Angkor, é A cidade dos templos.

A cidade de Angkor fica a uns 5 km de distância de Siem Reap, bem ao norte, e ainda tem uma lenda do século 13 que diz que a cidade foi erguida em apenas uma noite por um Deus arquiteto, já pensou?

Mas foi originalmente desenhada no século 12 durante o reino de Suryavarman II que dedicou a construção a Vishnu, entidade da época, porém a cidade já teve sua primeira invasão, em 1177, depois da morte do rei, onde os Chams, que eram inimigos dos Khmer, vieram e saquearam tudo mas nada estava perdido.

Alguns anos depois, Jayavarman VII tomou tudo de volta e aí Ankgor se tornou a capital e já no final do século 12 Angkor deixou de ser hindu e se tornou um centro de adoração budista, que é até hoje.

O império Khmer foi glorioso até o ano de 1431, como diz a história mas como a Tailândia e o Vietnã cercavam o império, ficou difícil e o rei teve que fugir pro sul, e os tailandeses tomaram tudo, isso porque os vietnamitas não eram tão violentos quanto os tailandeses.

Agora, nós franceses, estamos sempre ajudando, né!? :) A minha bela França fez do Camboja uma colônia, onde o rei se sentiu mais seguro por ter o nosso apoio, isso entre meados de 1860 a 1950, claro, no meio disso houveram as guerras mundiais, onde ninguém era de ninguém.

E como o mundo já estava em clima de tensão, houve o seguinte, muitos governos opressores que ameaçavam o povo local, o Camboja se tornou refém e em 1975 o temido Khmer Rouge tomou o poder e queriam fazer algo novo, criar uma nova nação, ok até aí, o problema é que pra isso na cabeça deles, eles tinham que “eliminar” o que havia antes, ou seja, exterminar a população, sem dó de crianças, idosos, mulheres e inocentes em geral e os que ficaram como escravos eram oprimidos sem piedade alguma, sendo que nem monges eram poupados, algo triste mesmo e nem foi há tanto tempo atrás.

O sofrimento perdurou e continuou com muita angústia pois além do governo que massacrava a todos, o povo sofreu com as guerras que vinham ao seu redor, como os americanos na segunda guerra e também na guerra com o Vietnã e acabaram sendo bombardeados pesadamente, em um genocídio que causou mais de 3 milhões de mortos.

Nesse meio tempo o país já mudou de nome várias vezes:

1953 – 1970 O Reino do Camboja | Monarquia
1970 – 1975 A República Khmer | Governo do Presidente Lon Nol
1975 – 1979 Kampuchea Democráta | Regime Khmer Rouge com Pol Pot
1979 – 1989 A República do Povo de Kampuchea | Governo Vietnamita
1989 – 1993 O Estado do Camboja | Nações Unidas
1993 – até o hoje O Reino do Camboja | Monarquia Restaurada

Hoje em dia tudo está em paz mas o que esse país sofreu, não existe algo igual, e o pior de tudo é que ainda há muitas minas terrestres no território inteiro, o que causa acidentes fatais até hoje, e o pior, com crianças inocentes que não têm nada a ver com isso.

Hoje em dia, não apenas as crianças e sobreviventes vivem em situação precária, mas até as florestas que são a maior riqueza do país está sendo devastada, pois já são 30 anos que o país está com um desmatamento incontrolável, onde 25.000 km² de floresta já se foi, e continua indo.

______ Informações gerais _______

Neste post, encontrara mais informações importantíssimas de Siem Reap, Não perca ! 

                    Idiomas

A língua oficial do Camboja é o Khmer, uma língua austro-asiática que lembra o Tailandês e o Vietnamita, mas é uma língua única e oficial no país, apesar de que o inglês é bem falado nas principais cidades, e até mesmo o francês. Há também muitos outros dialetos, o que é comum na Ásia, dialetos por região.

                    Moeda

A moeda oficial do Camboja é o Riel Cambojano (KHR). 1 USD equivale a mais ou menos 4.000 KHR. Para se ter um câmbio preciso é só clicar aqui.

É muito importante ter cash em mãos, porque nem todos os lugares aceitam cartões de crédito e é muito difícil encontrar ATM’s, então sempre tenha dinheiro em espécie. Não se preocupa, a maioria dos lugares vão aceitar dólares, mas é bom ter alguma quantia reservada em moeda local, só por precaução.

                   Roupas

Desde 4 de Agosto de 2016, o governo (Autoridade Apsara) criou uma nova lei, onde proíbe qualquer tipo de exposição do corpo dentro de Angkor Wat, portanto é obrigatório vestir roupas que cubram até os cotovelos, abaixo do joelho e não mostre barriga, costas, ou nada parecido. Se for ao templo assim, eles não vão permitir a entrada e se for pego lá dentro infringindo a lei, vai sofrer punições locais.

Então é muito importante se vestir com roupas leves mas que cubram o corpo respeitando a cultura local.

                   Visto, e agora?

Não ache que é por ser brasileiro, todo mundo precisa de visto para entrar no Cambodia (menos cidadãos da Tailândia, do Laos e do Vietnã)    , então como proceder?

Para conseguir o visto é simples e ainda bem surpreendente por ser moderno, diferente do que qualquer um imagina: Vá até o site do formulário aqui, e preencha as informações, enviando também uma foto e pague com cartão um valor total de 37 dólares por pessoa e pronto! Em 2 ou 3 dias depois pegue seu visto no email e leve com você, simples assim.

A outra maneira é de tirar o visto On Arrival, diretamente no aeroporto. Para isso, basta entrar na fila da imigração, apresentar o passaporte junto com uma foto de identidade, o valor é de 30 dólares e o pagamento deve ser em dólar e em cash. O visto será feito na hora.

Se você é igual a gente, e esquecer da foto, fique tranquilo: a imigração pedirá apenas uma taxa a mais de 3$.

Se quiser saber mais detalhes sobre vistos para o Camboja, é só ver o que eu escrevi aqui nesse post.

Visto Siem Reap Camboja

Visto feito na chegada no aeroporto I Foto @FamiliaSemFronteiras

                   Vacina

Pra entrar no Camboja, é obrigatório ter um cartão comprovando que temos a vacina contra a Febre Amarela, o que pode ser feito nos postos da ANVISA, gratuitamente, e assim que tiver tomado a vacina, devemos levar o cartão internacional conosco. Caso não tenha, pode pegar no próprio aeroporto.

Uma informação importante é que há surtos de dengue no Camboja, então, todo cuidado é pouco, já temos isso no Brasil, e indo pra lá, é só tomar os cuidados que temos aqui, como muito repelente nas pernas e braços, pois já sabemos como é esse mosquitinho pestinha!

Dica Valiosa para Segurança
Nunca ultrapasse por si só os lugares demarcados nos templos, lá ainda existem minas terrestres, e o risco de explosão ainda existe!

       Tomadas também são importantes

No Camboja as tomadas são em 3 tipos variados mas é super recomendado ter um conversor internacional de tomadas, já que podemos encontrar 3 tipos diferentes: o tipo A (2 pinos achatado),C (2 pinos comuns arredondados que serve no Brasil, por exemplo) e G (que é o tipo do pino do telefone formando um tipo de triângulo.)

A voltagem no Camboja é 220 volts, então se estiver levando qualquer coisa que precise de 110, tenha um conversor, que pode ser comprado online.

________ O que fazer ? _________

         Templos I Se achar por Lara Croft

Visitar os templos é o que nós estávamos loucos para fazer, finalmente ver tudo aquilo de pertinho. Percorrer os caminhos da Lara Croft e ver os detalhes incríveis de templos que com certeza fizeram dessa viagem uma lembrança incrível.

Vamos acordar antes de o galo cantar e participar do ritual local, assistir de “camarote” o nascer do sol em Angkor Wat – esse aqui é um templo budista que é o símbolo e orgulho nacional cambojano e se você reparar a bandeira do país, vai notar que ele está estampadíssimo nela – imagine só que lindo, a silhueta no céu do sol nascendo por trás desse templo imenso.

Angkor Wat fica em Siem Reap, uns 5 km do centro e você pode escolher o modo de transporte, bike, tuktuk, taxi, agora, chegando lá, vai precisar com certeza de um transporte, pois andar não dá não, muito quente e andar muito? Nem pensar ! Então pegue um tuktuk que leva e busca e acompanha, fica a uns 5 dólares por pessoa e vale a pena. Vale muito a pena !

Lembro que eu queria muito conhecer Angkor de bicicleta, pedalar pelo gigante parque e ver os templos de uma outra maneira. Na época, estava grávida de 5 meses e já tinha a Ella, que tinha 11 meses. O Bruno me parou e me lembrou do tamanho do parque que é GIGANTE: 400 km²!! E pedalando no calorzão escaldante e na alta umidade que ultrapassava 70%?! No way!

Acordamos cedo e fomos de tuktuk. Negociamos o valor do passeio do dia e assim fomos, eu, me arrependendo de não ter ido pedalando. O tal arrependimento durou só até às 10 quando o sol começou a bater e foi quando entendi que nem o ar do tuktuk era suficiente, ou seja, como iria sobreviver pedalando ?

E como eu disse, é um calor intenso mesmo, por isso é muito importante seguir as dicas de levar protetor solar, chapéu, e vestir roupas leves, principalmente por conta das crianças.

E questão das roupas, lembre-se, roupas leves mas sempre até o cotovelo e joelhos, não mais curto do que isso.

O parque é pago e a entrada custa 20 dólares para um dia, 40 para 3 dias e 60 para uma semana, promoções boas dependendo aí de quantos dias você ficar. Assim que comprar os tickets, guarde-os com você por que alguns templos podem o  pedir e se não estiver com os tickets pode ficar de fora e isso não é o que quer.
Recomendo comprar as entradas com antecedência e se for possível,a noite antes do passeio.

A ideia geral é que devemos chegar cedinho para ver o nascer do sol, junto com centenas e centenas de turistas que compram as entradas no dia D, junto com você e acaba que no final ninguém chega a tempo, então compre um dia antes do passeio E se for ver o pôr do sol em Angkor?

Angkor Wat Nascer do Sol

Saiba como ir de forma mais confortável e/ou econômica ate os templos neste post       

      Por qual templo começar ? 

 

              Angkor Wat I O impressionante 

Angkor wat temple Cambodia

Com suas 5 torres de 65 metros que inspiram maravilhas, ele é o monumento épico de Siem Reap. O lugar é considerado patrimônio mundial pela UNESCO e, não é à toa.

Angkor Wat recebe em média mais de 1 milhão  de turistas pro ano e é o principal monumento do Camboja.  Como eu mencionei ele está na bandeira e também nas notas de cédulas da moeda local.

Assim que se chega perto, ao caminhar em direção ao templo, já se tem um arrepio, mas ao chegar perto e ver os detalhes minuciosos da construção, realmente fascina, pois não eram simplesmente trabalhadores ou escravos, os que fizeram eram verdadeiros artistas.

É muito importante ir até o templo com guias experientes e arrumar o passeio com uma agência em Siem Reap, por ser muito grande e praticamente impossível de conseguir chegar por si só.

O melhor aqui é comprar o ticket no dia anterior ao da ida, pra poder ir pela manhã e conseguir ver o nascer do sol, o que é uma obra da natureza de tão lindo que é, a silhueta do templo.

Angkor Wat é um templo muito antigo, datado desde o século 9 porém suas ruínas estão de pé até hoje, anos depois, mesmo após conflitos.

Angkor foi a capital do império Khmer, quando ainda prosperava e tinha uma grande população que tinha sua própria identidade, uma delas é a arquitetura, o que se vê nos templos.

Muitas histórias sondam o porquê da existência de Angkor Wat, mas o que prevalece é que o templo foi construído para o deus hindu, Vishnu – e pra quem não sabe, é o maior templo religioso do mundo com 1 km² e 3 níveis. Mas mesmo tendo sido construído como um templo Hindu, é hoje um templo Budista, isso desde o século 14.

Angkor wat temple Cambodia

Angkor Wat temple Cambodia

Nascer do sol em Angkor Wat I Foto @Google

Angkor Wat Temple Siem Reap Cambodia Angkor Wat Temple Siem Reap Cambodia

Angkor Temple Siem Reap Cambodia

Orando dentro do Angkor Wat I Foto @FamiliaSemFronteiras

 

 

Angkor Thom I O complexo dos templos

Depois de Jayavarman VII ter derrotado os saqueadores em 1181, ele construiu a nova capital de Angkor, com muros fortificados, esse é o nosso Angkor Thom.

O acesso é dado em um dos grandes portais de entrada de Angkor, o portal sul, e ao chegar nesse lugar massivo dá pra visitar uns dos templos mais incríveis do local.

                         Bayon

Bayon é o último templo que visitamos no nosso primeiro dia descobrindo os templos perdidos de Angkor. Bayon não é qualquer templo, é um templo que fica embaixo das raízes de árvores gigantescas – ainda não reconheceu?! Então vai reconhecer, pois lá onde foi gravado o filme Tomb Raider, com Lara Croft, personagem de Angelina Jolie.

O templo de Bayon fica bem ao centro do complexo de Angkor Thom, com muitas imagens em alto relevo nas pedras, que mostram acontecimentos diversos, paisagens e a vida diária da época.

O que mais caracteriza Bayon é também o que praticamente representa a imagem do complexo inteiro, que são as 50 torres com 4 lados, sendo que há rostos em cada um dos lados, todos sorrindo.

O templo é cheio de passagens difíceis, incluindo corredores e escadas, e muito a aguçar a nossa imaginação, em ruínas que mostram um passado intenso e como o tempo passa e nos mostra o mistério de como tudo isso ainda está aqui e como foi feito.

Bayon Temple Siem Reap

Foto @Google

Siem Reap Temple Bayon Temple Siem Reap Cambodia

Bayon Temple Siem Reap Cambodia

Bayon Temple Siem Reap Cambodia img_6325

 

Como ir ate os templos ? Leia esse post com todas as informações importantes 

 

                        Baphoun

 

De todos os templos do complexo que eu vi, este aqui é o segundo maior, atrás apenas do épico Angkor Wat, tendo uma forma de pirâmide que representa Meru. O formato de pirâmide também tem um significado, quer dizer que foi feito para ser o centro do complexo, antes claro, de Angkor Thom se tornar a capital.

São mais de 300.000 peças com talhos detalhados que mostram uma arte mágica, o que leva a crer como o pessoal na época conseguia fazer isso, realmente impressionante, e eu fiquei abismada mesmo de boca aberta, mas depois de eu ver tudo isso, ainda tem uma cena mais linda aqui – que é ver o pôr do sol daqui.

Baphoun Temple Siem Reap Cambodia

Foto @TravelTimeTurtle

Angkor Thom

                       Ta Prohm 

Ta Prohm foi o templo que mais apareceu em Tomb Raider, com Lara Croft, Angelina Jolie, pois é um lugar muito especial, não só por conta da sua história mas porque foi um dos primeiros templos do rei Jayavarman VII e  que foi dedicado à sua mãe.

Além disso, o templo abrigou trabalhadores e monges da época, em seus mais de 600 quartos, poderia até ser um hotel hoje. 😀

Apesar de não ser o maior, esse é um dos ou o mais impressionante de todos os templos de Angkor, pois as árvores gigantescas são antiguíssimas, mas o templo é ainda mais, e isso se nota quando podemos ver que as raízes cresceram por dentro e por cima da construção, sem afetar em nada de sua estrutura, o que afeta aqui é o tempo e não as árvores.

E falando de tempo, dá pra ter noção do quanto esse templo é antigo e o melhor pra tirar fotos – por isso é o mais fotografado daqui.

E sendo um exemplo de cenário, o Ta Prohm visto de longe é como se fosse algo não descoberto antes com árvores imensas e o templo lá, intacto, mas chegando perto, realmente se vê que os anos passam e o templo fica, fazendo Angkor um lugar mágico e exótico.

Ta pronhm temple Siem Reap

Foto @SiemReapFotography

Ta Pronhm Temple Siem Reap

Temple Siem Reap Cambodia Temple Siem Reap Angkor Cambodia

Siem Reap temple

Phnom Bakkheng

Um dos melhores templos pra se visitar, pois o Phnom Bakkheng fica no alto de um morro que está no meio da floresta, com um uma vista cinematográfica que fez meus olhos ficarem hipnotizados.

O templo foi construído 2 séculos antes do próprio Angkor Wat, sobre uma rocha e hoje é muito visitado por turistas que acabaram descobrindo o templo, e desde 2004 lotam o lugar, o que preocupa autoridades locais, pois querem manter o lugar bem preservado.

Quem quiser aproveitar bem a vista lá de cima ainda pode subir de elefante, tem um pequeno passeio e não custa mais do que 15 dólares. Vale à pena, ainda mais se for assistir ao do pôr do sol.

ta prohm

Vale uma visita também a outros templos fora de Siem Reap, não só por também serem parte da história mas também por nos fazer conhecer mais a fundo a cultura local.
Recomendo, entre esses, que visitem alguns como o Banteay, Srey, Koh Ker, Beng Malea e outros se houver tempo, o que não tivemos mais, mas vale muito a penas se puder ir.

Como ir ate os templos ? Leia esse post com todas as informações importantes de transportes

Kompong Khleang I Cidade Flutuante 

 

Nos arredores de Siem Reap e na Ásia em geral, é comum ver “cidades flutuantes” onde a vida se organiza em volta do rio e do comércio de peixes. Algumas dessas cidades, mais turísticas, oferecem também passeios de barco pelos arredores, diversão em fazenda de jacaré e até história triste em escolinhas escolhidas .

Em Siem Reap, decidimos conhecer a cidade de Kompong Kleang na lagoa de Tonlé Sap, mais distante da cidade e também mais realista. O Camboja era o segundo país que descobrimos na Ásia e ao buscar cidades flutuantes, descobri um comércio desonesto da pobreza local. Comecei a pesquisar ao redor de Siem Reap quando, durante um dia de descanso na piscina do nosso hotel eu pensei ”o que fazer além de visitar templos?”.

Com certeza, o Camboja não se resume só em complexos de templos espalhados pelo país mas sim com uma cultura milenar ainda presente.

Finalmente, durante minhas buscas, descobri que pessoas oportunistas tinham resolvido tornar esses vilarejos de pescadores num mercado bem sucedido e então rentável, não pra a população local mas sim para os organizadores dos passeios.

É buscado, durante horas, que conheci o vilarejo de Kompong Kleang, o mais distante da cidade mas também o mais realista. Não pensei mais: perguntei sobre o vilarejo para os funcionários do hotel (ninguém conhecia essa cidade), fechei um passeio e fomos. Nesse dia, estávamos apenas 5. 5 estrangeiros curiosos em ver o verdadeiro Camboja. O Camboja que vive afastado da modernidade, em casas que ficam sobre palafitas e mesmo assim felizes.

Saímos de manhã e dirigimos dezenas de minutos no meio do nada, em uma estrada de terra, seguindo a borda de um rio meio seco. Paramos, sem alma que vive ao redor e subimos em um barco de madeira que já estava podre. Lembro ter pensado que não iria subir nesse barco da morte. Lembro ter pensado horas durante o passeio que acabaríamos devorados por jacarés esfomeados. O barco resistiu e voltamos vivos. Vivos mas sem o coração leve por entanto.
É que no Camboja, a realidade é diferente: 20% da população vive abaixo do índice de pobreza e a realidade não é diferente nesses vilarejos flutuantes.

Ao nos aproximarmos do vilarejo, vimos um vilarejo bem pobre mesmo, de cortar o coração, com sujeira, falta de saneamento, as pessoas não têm nem como manter a higiene em um lugar esquecido assim.

Mesmo assim nós conseguimos ver algo que é comum, crianças brincando felizes, boiando em suas bacias, que fazem de barquinhos, sem ter ideia da realidade, apenas ali, curtindo a felicidade como podem.

As mulheres, em suas casas arrumando o que têm e lavando roupas às margens, o dia a dia desse tipo de vilarejo, e eu, com lágrimas nos olhos pensando na minha vida, na vida do ocidente, que é baseada no materialismo, em marcas, em luxo, enquanto no outro lado do mundo crianças ali, necessitando, isso muda o rumo de uma vida.

A entrada de terra em margen do Rio

 

Kompong Khleang

 

                 Pub Street I A diversão

 

Pubstreet se tornou o coração da noite em Siem Reap, fazendo a capital dos templos em um grande centro com encontro de turistas e locais, se misturando.

Pub Street é um lugar com uma grande concentração de restaurantes internacionais e locais, aliás, não posso deixar de mencionar a culinária Khmer, não é? :) Quem acha que é só mais um arroz frito na Ásia tá enganado, delícia!!

Aqui também rola muita música e os barzinhos ficam à todo o vapor até altas horas com muita gente se divertindo e curtindo e bebendo sabores cambojanos e clássicos em lugares como o Angkor What? Bar, que é o mais famoso e badalado do lugar, com quase 20 anos de pura tradição.

Mas Pub Street tem muitos outros barzinhos elegantes até, e não só isso, também muitas lojas com lembrancinhas, ou coisas em geral, ótimo pra uma caminhada durante à noite, porque fica bem movimentado.

Os restaurantes são as estrelas principais, com cozinha internacional, indiana, chinesa, tailandesa, francesa, italiana e muito da cozinha khmer e o melhor é que são a preços muito acessíveis até aos mochileiros, mas o melhor de tudo é a comida de rua que é indispensável.

No fim da noite, depois de comer, andar um pouco nada melhor que uma massagem, e tem também lugares com massagens super baratas a partir de 5 dólares, tudo ali. E aí, pronto pra conhecer Pub Street?

Pub Street Camboja

                 Angkor Night Market

Fazer compras faz parte da rotina de quem viaja e quer comprar lembrancinhas e novidades, então, pra conseguir algo bem local aqui, deve ir até o Angkor Night Market.

O mercado é cheio de vendedores locais, artesãos que se espalham em mais de 200 tendas de bamboo, que é uma característica daqui e fica a apenas 5 minutos de Pub Street.

O mercado ajudou muito a melhorar a vida do povo local, pois a vida já não era fácil, mas agora, com o número de turistas que frequentam o mercado, a economia das famílias melhoraram muito.

O mercado ainda fica mais animado com as tendas que vendem comida de rua e além da comida eles oferecem bebidas, fazendo daqui um point de encontro, dando vida a esse lugar com muita música em um ambiente incrível.

Curso culinario I Aprender a cozinhar Khmer

Veio até aqui a Siem Reap, adorou a comida, a culinária Khmer e os restaurantes – ótimo! Mas que tal aprender a cozinhar um pouquinho disso tudo e levar pra casa uma lembrancinha no paladar?

Foi exatamente isso que eu decidi em Siem Reap: conhecer um pouco sobre as famosas aulas de culinária Khmer.

Cozinhar é algo que está no sangue francês, então, tenho que misturar isso com um pouquinho da cozinha asiática em geral, e principalmente a cozinha Khmer.

Aprender a fazer uma comida de qualidade autêntica da cozinha Khmer em aulas com chefs importantes daqui, em lugares como RiverGardens, Tigre de Papier, Sojour, champey e entre outros.

O melhor é que apesar de serem aulas bem completas, os preços são super acessíveis, entre os 10 e 30 dólares, dependendo de quantas horas de aula você escolhe, e aonde.

As aulas são dadas para no máximo 6 pessoas por vez e alguns lugares têm opções de aulas pela manhã, tarde ou dia inteiro, tendo média de duração de 3 horas.

Agora,a língua na qual todo o papo rola é em inglês! E aí, Do You Speak English? 😉

Entre as opções de pratos que pode escolher pra preparar estão a salada de manga cambojana, o famoso amok de peixe, bolas de arroz e outros como curry cambojano, como usar e muitas outras delícias que vão chamar a atenção do seu olfato.

Tudo começa indo a um vilarejo conhecer uma casa típica com uma família Khmer e conhecer a cozinha e a horta deles, e um pouco sobre ervas e plantas para o preparo, tudo isso interagindo com o pessoal local.

Experiência única pra quem quer fazer mais do que apenas visitar lugares e degustar sabores, e sim, colocar a mão na massa e aprender a cozinhar!

Tudo isso com chefes profissionais e locais, dando o macete, passo a passo desde as compras, no mercado, até o preparo.

e o melhor, no final, você experimenta o seu próprio prato e pronto! Bon appetit!

Pra completar, na maioria das escolas ou restaurantes que dão aula, eles presenteiam os alunos com ingredientes, livros de receitas e até certificado, pronto! Agora pode provar que realmente aprendeu! :)

________Onde dormir ?_________

Chegando em Siem Reap, vai perceber que a cidadezinha não tem nada de pequena.  O que, provavelmente, pensa ser uma cidade pequena, construída apenas para hospedar os viajantes que vinham conhecer os templos de Angkor um pouco à imagem de Águas Calientes, cidade de entrada do Machu Picchu, é na verdade uma cidade de 230.000 habitantes e onde contamos mais de 800 acomodações. Ou seja, a cidade que provavelmente achava ser pequena, igual eu achava, é uma cidade bem grande, e por isso a oferta de acomodação é vasta, tem pra todo mundo, apesar de ser difícil escolher, com tantas opções.

Em Siem Reap, tem todos os tipos de acomodações: dos hotéis de luxo, aos hotéis mais em conta, hostel ..

Melhor ficar no centro perto da Pub Street e dos restaurantes, onde tem agitação, não apenas templos. Por isso estou passando ótimas recomendações aqui abaixo pra já saberem onde ficar e não se arrepender!

Reserve aqui e ganhe 15 euros de desconto ou seja mais de 50 reais na sua próxima estadia!

                            Hillocks Hotel & Spa

Bem próximo da Pub Street, fica esse hotel maravilhoso e chique que só! Ele tem uma piscina imensa ao ar livre e os quartos são unidades separadas com jardim.

Dentro dos quartos você terá ar condicionado, TV com canais diversos, wi-fi liberadíssimo e uma cama esplêndida com muito conforto mas o melhor é o banheiro, e claro, a banheira que dá vontade de tomar banho por horas.

A vista dos quartos é linda, pois têm muitas janelas amplas em uma área verde e super bem arejados.

O restaurante é especialista em comida local, o que é ótimo, pois se ainda não conhece a culinária Khmer, vai passar a conhecer, feito por chefs que preparam com amor e sabor!

Além de tudo isso, o lugar tem sauna a vapor e seca, academia e spa, além de um espaço infantil pras crianças.

Quem quiser, ainda tem direito a bicicletas pra aproveitar melhor o passeio.

Siem reap hotel

Siem REap hotel

                         Jaya House River Park

Bem no meio de uma bela área verde fica o Jaya House, um hotel que oferece um luxo sem igual, com arquitetura moderna porém com traços claros da cultura Khmer.

Os quartos são uns dos mais amplos já vistos, ou seja, em espaço não há economia aqui, além da bela apresentação, comodidades como ar condicionado à vontade, TV tela plana e vistas lindas.

Os banheiros também são bem espaçosos, com banheira aconchegante pra um banho relaxante e bidé.

O hotel fica bem próximo do museu de Angkor, dando pra fazer uma bela caminhada, e não muito longe da famosa Pub Street, onde as noites são de pura descontração.

A piscina é sensacional e é onde todos os hóspedes se aglomeram em dias de calor intenso, o que ocorre sempre, mas calma! Estão bem preparados pra isso! :)

E um último detalhe, o wi-fi é liberado em toda a propriedade, no bar, piscina, lobby, recepção, quarto, enfim.

Mas caso precise de alguma ajuda quanto a câmbio, informações e passeios, a recepção está disponível com dicas quentes!

Siem reap hotel

siem reap hotel

                          Phum Baitang

Resumido em um estilo rústico luxuoso, é esse hotel, o Phum Baitang, que apesar de puro estilo rústico, ele surpreende com uma das maiores piscinas que um hotel pode oferecer, realmente um conforto aos hóspedes que podem ter espaço à vontade.

São 50 metros de piscina infinita com muitas espreguiçadeiras ao redor, todas disponíveis para que o hóspede se sinta o rei de Siem Reap.

O lugar é totalmente tranquilo e em plena natureza, com villas que dão uma tranquilidade incrível, pois são espaçosas, iluminadas, arejadas e amplas com muito conforto em cada uma e terraço com vista e ar livre.

O interior já é incrível, pois se parece mesmo que estamos em uma casa cambojana, além de ter um banheiro que e um espetáculo, com banheira e hidromassagem só nossa.

O melhor do hotel posso dizer que é o Spa, além de parecer um condomínio de luxo, o hotel tem o Temple Spa, que é onde fazem umas massagens dos deuses, que aliás, é uma das melhores no Camboja, agora, pra quem curte, eles oferecem Yoga também.

Claro que um espaço assim não pode deixar de oferecer um restaurante de ponta: é o caso do Hang Bay, que oferece pratos diversos que são preparados com os melhores chefes locais, mas se quiser, e DEVE, provar culinária local, deguste algo delicioso no Bay Phsar, onde o cheirinho é irresistível.

Siem Reap Hotel

Foto @PhumBaitang

Siem Reap Phum Baitang Hotel

Foto @PhumBaitang

Siem Reap Phum Baitang Hotel

Foto @PhumBaitang

                         Sala Lodges I O Antigo Moderno

Um hotel que reúne casas antigas locais, com móveis antigos e restaurados nos fazendo voltar à história no Camboja, com cada uma tendo um valor histórico diferente.

As casas, apesar de serem antigas, elas são muito bem equipadas com climatização, banheiros equipados e super bem decoradas no modo antigo.

A piscina é no exterior, no jardim, disponível a hora que quiser, e o melhor, adivinha só…
…ela tem água salgada, incrível, né? :) Mas ela também tem um bar ótimo, que dá pra relaxar, tomar um drink com uma vista estupenda!

E claro, como toda boa acomodação cambojana, não se deixa de fora a comida, né :) A culinária local é muito bem servida no restaurante Sala Lodge, que serve o melhor do Camboja mas também, pra quem quer matar a saudade de casa, eles também têm opções ocidentais.

Sala lodge Hotel Siem Reap

Sala Lodges Hotel Siem Reap

Sala Lodges hotel Siem Reap

Sala Lodges Hotel Siem Reap

Fotos @SalaLodges

Reserve aqui e ganhe 15 euros de desconto ou seja mais de 50 reais na sua próxima estadia !

_______Comer & Beber _________

 

Em Siem Reap não faltam opções para comer e beber, comer principalmente, por ter a culinária Khmer, um culinária local e cheia de novidades deliciosas.

Hoje em dia são vários os restaurantes espalhados pela cidade, até porque muitos estrangeiros vieram trazer um pouco de suas cozinhas pra cá.

Muitos estrangeiros têm restaurantes aqui, fazendo com que as opções sejam internacionais, e isso é delicioso pois temos uma diversificação grande.

Além disso, a culinária cresceu muito ultimamente por aqui mas nada supera à cozinha Khmer que fascina não apenas no paladar mas no cheirinho que atrai qualquer um!

A maioria dos restaurantes ficam na área de Pub Street e o bom é que virou uma localização onde todo mundo se junta, locais e estrangeiros, e muito papo rola por aqui acompanhado de sandubas, pastas, sushi e até insetos fritos.  (estamos na Ásia, né?!).

Então, vamos ver o que Siem Reap tem a oferecer para o nosso paladar…

Dos pratos locais..

O que eu gostei foi que alguns pratos são bem únicos apesar de outros serem mais comuns, como por exemplo o Lok-Lak que é um bife frito acompanhado de salada e de legumes. É comum mas a diferença é que é marinado durante 1 dia inteiro com um molho de peixe, viu? Parece bem comum, mas é uma delícia.   Uma delicia que comíamos todos os dias durante nossos 15 dias no Camboja.

  Beef Lok Lak   Beef Lok Lak

Mas o que achei bem autêntico e diferente foi o Fish Amok que já deixa você surpreso ao ver um prato feito de folha de bananeira. O peixe é vaporizado com a folha da bananeira e curry, fazendo ficar bem macio, se desmanchando na boca. Além disso dá pra sentir um sabor bem diferente em uma combinação de côco, cebola, gengibre e outras coisas daqui que não sei o nome mas além de diferente é muito gostoso.

Há muitos pratos que são sopas deliciosas mas se eu for falar, vou escrever um livro de receitas, pois são muitas opções, e todas podem ser vistas e provadas, e claro, aprovadas, nos restaurantes, aliás, nos melhores restaurantes de Siem Reap, veja alguns deles…

Fish Amok Siem Reap

Foto @BakeryBingo

ou ainda o Cambodian BBQ

O Cambodian Barbecue fica bem próximo à famosa Pub Street e serve o mais diverso tipo de churrasco camoniano. Quem é brasileiro, vai querer provar. Com certeza.  O lugar é um ambiente aconchegante e confortável com gastronomia diversa pois ela vem em um tipo de tabuleiro com um prato no centro e quatro nos cantos, cada um com um tipo de carne.   Ao contrario do churrasco brasileira onde a carne está cozida na brasa, o churrasco cambojano cozinha os alimentos na água quente. E assim que as carnes, das mais convencionais até as mais esquisitas (crocodilo, cobra..) cozinham junto com os macarrões e os legumes.   E sabe ? A-do-rei !
Quem me conhece sabe que adoro comer. Não somente comida francesa, queijos e charcuterie mas a comida mesmo.  Sou fã da gastronomia internacional e sempre provo a comida local.  Até arranha, escorpião e cobra frito comi na Tailândia.

Até hoje, nenhuma vez me decepcionei com a gastronomia local e ja fomos por quase 40 países.

O valor fica entre 20 e 30 dólares, mas vale muito a pena. Experiência inesquecível.

Barbecue Cambojano Siem Reap

 

E o mais esquisito de todos a Happy Pizza

Sabemos que comer pizza já deixa qualquer um feliz, é um momento feliz, ainda mais pra famílias, pra viajantes, porque são elas que matam a fome na hora que precisamos de algo rápido e prazeroso

Então vamos até a Hospital Street em Siem Reap comer umas pizzas? FOi lá que fomos, e olha só o porquê do nome Happy Pizza: Pizzas que são feitas com maconha, isso mesmo, tem vários sabores, mas a pizza mais procurada tem maconha nela.

O lugar está sempre cheio e elas são servidas normalmente, porque aqui não é ilegal, mas a porção não é tão forte mas dá pra sentir bem o gosto do que é, tendo uma aparência de orégano, mas a “planta” é a estrela principal do prato.

Quem quiser provar, pode provar sem medo, pois não vai estar causando nenhum mal a ninguém e consciência tranquila, e claro, pizza feliz.

Mas e aí, onde comer ?

 

                             Damnak Lounge I

O Damnak Lounge é um lugar perfeito pra quem quer ter um jantar romântico e luxuoso em um ambiente requintado e elegante. O lugar é bem arejado, com janelas amplas e ar condicionado, claro que quem preferir pode ir ao ambiente externo com uma vista linda do jardim no terraço aproveitando bem o ar e a brisa fresca. Os pratos aqui são extremamente saborosos e preparados com o melhor da qualidade da cozinha khmer, e também pratos internacionais e com opções bem variadas entre carnes de primeira, peixe, e muitos tipos de comida requintada. Pra acompanhar tudo isso, o restaurante tem uma carta de vinhos com vinhos excepcionais de várias partes do mundo, como Chile, França, Itália, Argentina e outros.

Damnak Lounge Siem Reap Damnak Lounge Siem Reap

 

Damnak Lounge Restaurar Siem Reap

Damnak Lounge Restaurant Siem Reap Damnak Lounge Restaurant Siem Reap

 

                             L’annexe I French Restaurant

Visitando vários lugares com boa comida e procurando novidades, como o que comer ou onde comer em Siem Reap, me deparei com muitos comentários positivos sobre “L’Annexe”, um restaurante típico francês na cidade muito bem falado, então decidimos dar uma olhada, e olha só, encontrei um restaurante autêntico da minha terrinha.

O restaurante é de um casal de Strassbourg, na França e que decidiram trazer um pedaço de França pra cá. Assim que entramos já reparei nos detalhes, elegância e um clima bem gostoso, perfeito pra famílias e casais, com mesas decoradas com toalhas e etiqueta de primeiríssima.

A equipe já se mostrou bem hospitaleira e solícita logo na entrada, nos mostrando uma mesa e já informando que eles têm wi-fi grátis – bom saber, né, mas viemos pra comer!

O que gostei muito é que famílias com crianças vão se sentir muito bem aqui, eles têm cadeiras pra crianças e também acesso a cadeirantes, o que achei bem legal também.

Então, a fome batendo, fui logo abrindo o Menu, e olha só, pra começar bem, cocktails como Mojito, Cosmopolitan, Pina Colada, mas não resisti quando vi caipirinha, adoro! Mas tem também whisky, cervejas e sucos de fruta mas pra quem ama, a carta de vinhos é bem recheada. Então pedimos carne, já que é o foco do L’Annexe.

O menu de carnes contém carnes nobres como filé mignon, lombo, fois gras, fui logo no fois gras, bem francês, e estava uma delícia só, adorei e pedimos também um cordon bleu que estava espetacular, bem ao gosto da França mesmo.

Pra terminar bem, pedimos queijo, pois eles têm o Camembert, mombier, tomme de savoie e muitos outros, porque quem é francês de verdade não fica sem queijo, entenda só lendo este post aqui – isso sem contar na pâtisserie, com sabores autênticos.

Adoramos o L’Annexe, deu pra ver que ele é o epicentro da gastronomia francesa em Siem Reap, se come bem, muito bem diversificado mas mesmo pra quem quer comer light porém provar o sabor da França, eles têm opções sem glúten.

Recomendo mesmo que venha ao L’Annexe, seja durante o brunch, almoço ou jantar, o lugar é simplesmente fantástico.

L'annexe french restaurant Siem ReapL'annexe restaurant Siem Reap

 

 

L'Annexe french restaurant Siem Reap

                             Embassy I Alta Gastronomia Khmer

O restaurante é uma opção super chique e elegante em Siem Reap, apesar de ser em um lugar pequeno é super bem arrumado e decorado em um ambiente de conforto e bem agradável e que possui até 2 varandas.

A equipe é super atenciosa, sorridente e profissional, sempre às ordens, e até encontrando alternativas caso precisemos de alguma coisa diferente.

Adorei o lugar de paixão mesmo, com uma comida fresquinha e muito bem preparada, foi pra conquistar o meu paladar de vez, além de que a apresentação das refeições são impecáveis.

Eu recomendo muito, pra quem quer conhecer a culinária khmer, pedir o menu de degustação, ele vem com várias porções pequenas de tudo o que oferecem, bem variado.

A comida é uma delícia, e não lembro de ter comido algo tão esplêndido como o camarão tigre daqui mas também recomendo o pato assado, tudo preparado pelas mãos talentosas das chefes Pol e Sok, a gêmeas Kimsan, que são estrelas na arte da culinária.

Elas vêm até à nossa mesa nos agradecer mas quem agradeceu fui eu! Ainda me surpreenderam com um detalhe que marcou, nos presenteando com caixas de macarons, feitos à moda francesa, mostrando que o que aprenderam em Lyon foi aprimorado.

Embassy restaurant siem reap

________Como chegar ?________

Nós saímos de Ko Samui direto, ou seja, muito simples, portanto uma dica é, faça uma viagem aqui pro sudeste Asiático pronto para visitar logo tudo de uma vez rsrs.

                 Saindo Do Brasil

Pegar uma ponte aérea pra lá é um pouco Deus Nos Acuda mas é possível sim, assim que chegar vai ver que vale a pena passar por horas de voo.

Não existem voos diretos do Brasil, portanto sua escala vai depender muito da cia aérea escolhida.

Há opções aéreas como Emirates, Eithad, Qatar Airwaya, AirFrance e até a KLM.

Tudo isso vai depender do que for melhor em termos de preços e escalas, o que sempre muda.

O aeroporto é bem novo e você se sentirá acolhido pelo “calor humano” dos Cambojanos, literalmente falando.

Aviso: Não troquem dinheiro no aeroporto, não é necessário, apenas leve dólares em cash e seu cartão de crédito que será utilizado apenas nas refeições e no hotel praticamente.

Super importante lembrar o seguinte, no Camboja, Brasileiros precisam de visto, na verdade todos os ocidentais precisam de visto mas você pode tirar o visto online, o que facilita muito pois apesar de não ser um país super desenvolvido, eles sabem como atrair um turista facilitando o e-visa e assim online com 40 dólares você consegue fazer o seu e em 3 ou 4 dias úteis ele estará disponível para você – OU o fazendo diretamente no aeroportoOn Arrival Visa“.   Chegando de avião, só precisará entrar na fila da imigração, apresentar o seu passaporte, uma foto de identidade e o valor do visto em cash e em dólar.  O visto fica pronto na hora.

Reserve o seu próximo voo aqui e ganhe pelo menos 20 reais de desconto!

             Da Ásia

Se já estiver na Ásia a facilidade é enorme, por já estará próximo ao Camboja, e os valores dos voos são super mais baratos.

A média de voo de qualquer outra cidade asiática (as principais) é de 1h00 de duração, então é só procurar com as cias low-cost como Bangkok Airways (Se estiver na Tailândia), AirAsia e até a Cambodia Angkor Air.

Se você estiver na Tailândia por exemplo, é possível chegar de ônibus, e os ônibus são super confortáveis, possuem wi-fi e ar-condicionado. Você pode até comprar o ticket aqui.

Pode pegá-los em Bangkok e viajar umas 10 horas, longa viagem mas por 30 dólares vale a pena. :)

AVISO: Apenas a cia. Transport Co./Nattakan não vai fazer você trocar de ônibus na fronteira pois é ônibus de cia. do governo, as outras cias são obrigadas a mudar de ônibus na fronteira, fica a dica.

             Do Aeroporto para a Cidade

Saindo do aeroporto, logo na saída vão haver milhares de carros e motos esperando por passageiros pra ir até o centro. A distância do aeroporto até à cidade é de apenas 6 km, chegando bem rápido e a corrida custa em torno de 8 a 10 dólares. De moto em torno de 3 dólares.

Uma dica é pegar um táxi registrado do aeroporto, logo na saída do terminal, pois é mais seguro e pode evitar dores de cabeça desnecessárias.

tuk tuk siem reap camboja

O tuk tuk é bem assim: 7 num carrinho para 4 , ao máximo

E aí, preparado para chegar ao Cambodia? :)

Articles

Find More  

Retrospectiva 2016 – O resumo do nosso ano

Et voilà, mais um ano que chegou ao fim. E que ano! 2016 foi, para nossa família, a imagem de 2015 e 2014, um ano excepcionalmente rico em descobertas, não somente ambientais, culturais ou sociais mas pessoais e humanas. E nesse ano de 2016 que chegou nossa segunda riqueza, o fruta do nosso amor, e nosso mais novo companheiro de …

Continue reading  

Tailândia: Como Chegar nas ilhas Phi Phi ?

A temporada chegou e junto com ela as ferias no Brasil. A Tailandia sempre foi um sonho e pensa em conhecer a famosa ‘praia’? Vamos la ! Logo depois de passar 5 dias maravilhosos na capital tailandesa, Bangkok, tínhamos que ir pra essas famosas ilhas das quais todo mundo falava, sim, as Ilhas PhiPhi. No nosso caso, como já mencionei …

Continue reading  

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>